Foi realizado o Seminário Inicial da etapa de Diagnóstico do Programa de Valorização de Nascentes Urbanas da Bacia Hidrográfica do Ribeirão Onça na sede do COMUPRA –  Conselho Comunitário Unidos pelo Ribeiro de Abreu para sensibilizar as comunidades do entorno da área de contribuição direta do Ribeirão Onça, que margeia o curso d´água desde a foz no Rio das Velhas até as proximidades da estação de metrô São Gabriel na Avenida Cristiano Machado. Participaram do evento entre líderes comunitários, ambientalistas e pessoas interessadas na preservação das nascentes locais.

O objetivo principal foi apresentar a etapa do projeto, que tem como realizadores o Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas e o Subcomitê da Bacia Hidrográfica do Ribeirão Onça, com o apoio técnico da Agência Peixe Vivo. O trabalho está sendo realizado pela NMC Projetos e Consultoria, empresa especializada em mobilização social e projetos ambientais. Durante 18 meses, serão cadastradas e caracterizadas cerca de 600 nascentes urbanas, com monitoramento da qualidade da água, e realizados cursos de sensibilização e educação ambiental, plantio e cercamento de mudas de árvores nativas; Simpósio da Bacia Hidrográfica do Ribeirão Onça para troca de conhecimentos técnicos e científicos das experiências locais; elaboração coletiva de um Plano de Manejo Comunitário de Nascentes e seminário final.

A abrangência dessa etapa de trabalho inclui ainda outras duas áreas relativas às bacias hidrográficas do Ribeirão Izidora e do Córrego Vilarinho. Em ambas as áreas também serão realizados seminários iniciais para apresentação do projeto, respectivamente, no dia 8 de julho na Escola Municipal Jardim Felicidade, e no dia 15 do mesmo mês, no Auditório da Secretaria Regional Venda Nova, sempre das 9 às 13 horas.

Segundo o coordenador das atividades de mobilização social Guilherme Cerqueira, o objetivo é chamar a atenção de pessoas que possam se oferecer como futuros cuidadores das nascentes que serão cadastradas de modo que o trabalho seja sustentável e  garanta uma efetiva preservação dessas fontes de água que são fundamentais para a recuperação das bacias do Onça e, consequentemente, do Velhas.

By | 2017-07-04T09:18:52+00:00 julho 4th, 2017|Sem categoria|0 Comentários

Deixar Um Comentário