A NMC Projetos e Consultoria marcou presença no I Seminário de regulação e gestão de perdas de água realizada pela Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais (Arsae-MG) no dia 8 de maio de 2018  na Cidade Administrativa do Governo de Minas. O Coordenador Geral da empresa, Antônio Nahas Junior; a Diretora de Inovação, Mariana Nahas; e o engenheiro agrimensor especializado em geoprocessamento, Guilherme Gandra, apresentaram o tema “Aplicação de metodologia de geoprocessamento para identificação de perdas de água”.

O trabalho foi baseado numa metodologia desenvolvida pela NMC Projetos e Consultoria numa pequena cidade mineira visando detectar perdas comerciais no sistema de abastecimento de água a partir de um cadastro imobiliário georreferenciado. A metodologia utiliza aquisição de ortofoto (fotografia aérea de alta precisão) com projeção tridimensional. Desse modo é possível detectar em cada unidade imobiliária a área construída dos imóveis e definir a categoria, com base na presença de estruturas externas relacionadas ao consumo de água como piscinas, depósitos e áreas de hortas ou jardins.

A cada lote é ainda associada a foto da fachada dos imóveis de modo a garantir maior precisão na avaliação das características físicas da construção. Por fim, o banco de dados é complementado com as informações do cadastro comercial da concessionária do serviço de fornecimento de água. Com o cruzamento de todos esses dados a NMC utilizou um sistema algorítmico para desenvolver um modelo econométrico que permite calcular uma média de consumo de água por tipos pré-definidos de imóveis. Por fim, com base nesse modelo é possível perceber incongruências de consumo.

A economista Mariana Nahas mostrou um caso concreto do estudo: “pela ortofoto vemos que essa casa tem uma piscina com água limpa e todo o quintal mantém características de estar sendo utilizado atualmente, entretanto o volume de água consumido está muito abaixo para esse padrão de imóvel. Evidentemente esse é um caso que merecer ser investigado pela equipe de campo para constatar de é efetivamente um caso de perda comercial para a empresa fornecedora do serviço de abastecimento de água”, concluiu. Com esse sistema, a concessionária utiliza sua equipe de campo com maior eficácia e agiliza o trabalho de detecção e correção dessas irregularidades de consumo.

A economista Mariana Nahas apresentou dados convincentes

APOIO PARA A GESTÃO

O também economista Antônio Nahas comentou que os resultados obtidos na experiência da NMC utilizando o sistema de geoprocessamento identificou que “as perdas aparentes estão espalhadas por todo o município e não apenas nas áreas de maior vulnerabilidade social como se supunha”. O sistema permite a criação e vários filtros geográficos sendo “um mecanismo essencial para a gestão das concessionárias dos serviços de água calcularem suas perdas comerciais assim como planejarem os investimentos necessários para a redução dessas perdas”.

O Seminário marcou o lançamento da Câmara Técnica de Gestão de Perdas de Água e contou com a presença de técnicos e diretores de várias concessionárias dos serviços de água e esgoto. Foram realizadas quatro palestras e apresentados relatos de boas práticas do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) de Itabira, da Companhia de Saneamento Municipal de Juiz de Fora (Cesama) e da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa). A promotora do evento, a Arsae-MG foi criada em 2009 e visa articular a diálogo entre prefeituras, prestadoras de serviços e usuários com o objetivo de garantir a eficiência dos serviços de água e esgoto para a população em geral.

Engenheiro Guilherme Gandra é especialista em geoprocessamento

By | 2018-05-14T09:07:45+00:00 maio 14th, 2018|Evento, Notícias|0 Comentários

Deixar Um Comentário